Pular para o conteúdo principal

As aves iam morrer

Nas primeiras horas da manhã de ontem, dezenas de pequenas gaivotas começaram a ser jogadas nas praias de Mongaguá, junto à plataforma de pesca. A maioria estava morta e as poucas que sobreviviam tentavam inutilmente vencer a maré alta e retornar a seus ninhos, na distante Ilha das Cobras. Mas seus ninhos haviam sido destruídos e elas não tinham forças suficientes para vencer as fortes ondas e voltar ao lugar de origem.
Em meio a essa luta entre a natureza e as aves, surgiu uma mulher. Uma humilde vendedora de petiscos na praia: Dona Sofia. Ela não se conformou com o espetáculo brutal e a desigualdade da luta. Mas não ficou só nisso: abandonou sua barraca, juntou-se aos filhos, enfrentou o mar bravo e começou a salvar as pequenas gaivotas, uma a uma.
Pouco depois, cerca de dez salva-vidas também se juntaram à tarefa. Por volta das 15 horas, Dona Sofia e seu pequeno exército tinham salvado mais de 500 filhotes. Poderia ter sido mais, não fossem alguns turistas que resgatavam das águas as pequenas aves para come-las.
Junto à sua barraca de petisco, Dona Sofia alimentou as avezinhas, improvisou uma estufa – puxou um fio de luz e ligou uma lâmpada – e ficou esperando ansiosamente pelo socorro pedido, ainda de manhã, à União Internacional Protetora dos Animais.
Enquanto o socorro não chegava – e já sem a colaboração dos salva-vidas e dos amigos – Dona Sofia e seus filhos continuaram espreitando o mar, numa vigília constante e aflita. A cada pequeno ponto negro que aparecia boiando, ela e seus pequenos soldados se atiravam às águas e voltavam à barraca com o sorriso dos vencedores: em suas mãos, novas pequenas aves estavam salvas. Elas as enxugava, uma a uma, colocava na estufa improvisada e voltava à vigília, pouco se importando com o movimento de seu comércio.
De vez em quando, triste, ela recolhia do imenso ninho que fizera, as pequenas gaivotas que não resistiam e as enterrava na areia da praia, como num ritual.
A noite já tinha descido em Mongaguá, os turistas já haviam retornado às suas casas, as outras barracas já tinham cerrado suas portas e uma luz ainda brilhava junto à plataforma de pesca: a que iluminava o imenso ninho que Dona Sofia fizera junto à barraca.
- Se não aparecer socorro – disse ela – vou ficar aqui a noite inteira. À noite as ratazanas e os gatos aparecem buscando comida. E eu não posso abandonar essas coitadinhas.
(Jornal da Tarde – 15 de julho de 1982)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Verbos Transitivos Diretos e indiretos - Exercícios

PREDICAÇÃO VERBAL - OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO
1. (CESCEM-SP) Os pássaros voam na mata.
a) verbo de ligação;                  b) verbo transitivo direto;
c) verbo transitivo indireto;        d) verbo intransitivo;
e) nenhum dos citados.

2. (CESCEM-SP) O aluno ficou contente com o resultado dos estudos.
a) verbo de ligação;                  b) verbo transitivo direto;
c) verbo transitivo indireto;        d) verbo intransitivo;
e) nenhum dos citados.

3. (Uni-Rio-RJ) Assinale a opção correta quanto à predicação atribuída ao verbo sublinhado na passagem do texto.
a) "A casa fica num alto lavado de ventos." - ligação;
b) "Aqui não há encantos." - intransitivo;
c) "... as zínias e os manjericões que levantavam um muro colorido ao pé dos estacotes" - transitivo direto e indireto;
d) "Sim, só comparo o Nordeste à Tera Santa." - intransitivo;
e) "... em torno do qual gravitam as plantas, os homens e os bichos." - intransitivo.

4. (Medicina Itajub…

Interpretação de texto–Enem–com gabarito

Teste seus conhecimentos resolvendo 12 questões de interpretação de texto para o Enem.



01. O texto a seguir foi extraído de um romance brasileiro. A partir de sua leitura, é possível extrair traços que permitam identificar o estilo literário a que pertence. Assinale a alternativa que indique esses traços e a escola a que o trecho pode ser filiada.


Caía a tarde. No pequeno jardim da casa do Paquequer, uma linda moça se embalançava indolentemente numa rede de palha presa aos ramos de uma acácia silvestre, que estremecendo deixava cair algumas de suas flores miúdas e perfumadas. Os grandes olhos azuis, meio cerrados, às vezes se abriam languidamente como para se embeberem de luz, e abaixavam de novo as pálpebras rosadas. Os lábios vermelhos e úmidos pareciam uma flor da gardênia dos nossos campos, orvalhada pelo sereno da noite; o hálito doce e ligeiro exalava-se formando um sorriso. Sua tez(1), alva e pura como um froco(2)de algodão, tingia-se nas faces de uns longes(3)cor-de-rosa, que iam, …

Exercícios sobre os Elementos da Comunicação

EXERCÍCIOS SOBRE OS ELEMENTOS DE COMUNICAÇÃO

1. O pai conversa com a filha ao telefone e diz que vai chegar atrasado para o jantar.
Nesta situação, podemos dizer que o canal é:
a) o pai
b) a filha
c) fios de telefone
d) o código
e) a fala

2. Assinale a alternativa incorreta:
a) Só existe comunicação quando a pessoa que recebe a mensagem entende o seu significado.
b) Para entender o significado de uma mensagem, não é preciso conhecer o código.
c) As mensagens podem ser elaboradas com vários códigos, formados de palavras, desenhos, números
etc.
d) Para entender bem um código, é necessário conhecer suas regras.
e) Conhecendo os elementos e regras de um código, podemos combiná-los de várias maneiras, criando
novas mensagens.

3. Uma pessoa é convidada a dar uma palestra em Espanhol. A pessoa não aceita o convite, pois não sabia falar com fluência a língua Espanhola. Se esta pessoa tivesse aceitado fazer esta palestra seria um
fracasso porqu…